SLIM no Jornal de Negócios | Semana Informática

Slim em destaque no suplemento Semana Informática do Jornal de Negócios

SLIM Business Solutions é uma startup fundada em Agosto 2012, sedeada em Braga e que actua na área do software de gestão. A empresa está a trabalhar o mercado das PME, especialmente as médias empresas, tendo já 12 clientes, alguns dos quais ainda se encontram com projectos em curso.

Apesar de ter pouco mais de três meses de actividade, a tecnológica não limita a sua actuação ao mercado nacional. Dos 12 clientes que possui, quatro são internacionais.

Segundo Rui Paupérioexecutive manager na SLIM Business Solutions, o mercado português representa 70% do volume de negócios, contudo, «é expectável que esse valor venha a descer para os 50% até ao final do ano, por força das perspectivas de negócio internacional».

A SLIM BS já presta serviços em Angola e Moçambique, mas o leque de países em que actua pode aumentar, atendendo ao desfecho de possíveis negócios no Brasil, em Espanha e na Irlanda.

No primeiro ano de actividade, que representa cinco meses de actividade, a SLIM BS estima ter um volume de negócios entre os 150 e os 200 mil euros. O executive manager acredita que o break-even desta primeira fase de investimento será conseguido no decorrer de 2013 e sublinha que os meios obtidos nos primeiros anos de actividade serão reinvestidos na empresa, de forma a alavancar novas áreas de negócio e a reforçar a oferta.

No roadmap para 2013, além do reforço da oferta de serviços de consultoria para o plano internacional, a empresa está a centrar esforços na criação de uma software factory que permitirá, através do desenvolvimento de produtos de software, fortalecer a estratégia exportadora. «Será um ano de investimento em pessoas, tarefa árdua face ao crescente êxodo de excelentes profissionais», afirma Rui Paupério.

Apesar de se tratar de nova empresa, a tecnológica foi constituída por uma equipa experiente. Rui Paupério trabalha há 20 anos no sector de tecnologias de informação, mais concretamente na vertente de software para a gestão empresarial. Este responsável juntou-se a outros dois profissionais do sector, João Miranda e Ricardo Maiatechnology manager e consulting manager, respectivamente, e fundaram a SLIM BS.

«Considero que tive um histórico de aprendizagem e que tive sucesso nas várias empresas por onde passei, tendo deixado marcas positivas em todas elas. A inquietude que me caracteriza levou-me a concluir que era agora o momento de iniciar um novo ciclo e de empreender, concretizando assim um sonho antigo», revela Rui Paupério, acrescentando que o principal factor de diferenciação da empresa assenta na qualidade e na competitividade das soluções e dos serviços colocados à disposição dos clientes.

A oferta da SLIM BS baseia-se presentemente no fornecimento e na implementação de aplicações de gestão assentes em plataforma de enterprise resource planning (ERP), customer relationship management (CRM) e business intelligence (BI) e em portais colaborativos.

Em 2013 está prevista uma segunda fase do plano de negócio, cujo objectivo é ampliar a oferta, que passará a contar com produtos de software próprios, com os quais os responsáveis da tecnológica esperam alavancar a sua estratégia exportadora.

Estas soluções próprias são baseadas em plataformas cloud, regimes de exploração SaaS e aplicações para dispositivos móveis (smartphones e tablets). «A nossa oferta está maioritariamente assente em tecnologia Microsoft no domínio das aplicações de negócio, produtividade e colaboração», refere o executive manager da SLIM BS. O gestor acrescenta ainda que, tecnologicamente, a empresa procurará assentar a estratégia em plataformas Microsoft, sendo que o Windows 8, lançado brevemente, o Windows Azure e as plataformas online e cloud já se encontram na base da arquitectura do roadmap de produtos.

Factor diferenciador

No que respeita à vertente de serviços e consultoria, o responsável acredita que a SLIM BS possui uma competitividade diferenciadora, baseada na agilidade, na flexibilidade e na competência da área de intervenção.

Em relação aos produtos que vão ser desenvolvidos, os vectores de diferenciação passarão pela inovação e pela qualidade. Para convencer uma empresa a adjudicar projectos a uma startup num cenário de crise como o que estamos a viver, o executive manager diz que é preciso acreditar nas pessoas, e explica que, apesar da tenra idade da SLIM, a equipa de três directores soma quase 50 anos de experiência no sector, o que representa uma maturidade relevante.

«No estado actual da economia, as empresas, os nossos clientes, privilegiam fornecedores ágeis e flexíveis que preconizem quick-wins. Foi neste contexto que, neste curto trajecto, tivemos já oportunidade de ultrapassar pesos pesados da consultoria em sistemas de informação».

No entender de Rui Paupério, «nos próximos dois a três anos, várias serão as empresas “maduras” do setor que irão desaparecer quer pelo peso excessivo, entenda-se estruturas desajustadas, quer pela apatia e pela incapacidade que demonstraram de mudar no tempo em que o deveriam ter feito. A forma de fazer negócios mudou e muitas foram as empresas que não perceberam!»